A implementação do peering remoto e suas implicâncias para o roteamento da Internet

10/06/2024

A implementação do peering remoto e suas implicâncias para o roteamento da Internet

LACNIC colabora no desenvolvimento de pesquisas aplicadas, apoiando grupos de pesquisa de universidades da região. A Universidade Federal do Rio Grande (FURG) é uma das organizações que recebe apoio do LACNIC para o desenvolvimento de seu projeto de peering remoto, liderado pelo professor Pedro de Botelho Marcos.

Para Botelho, o peering remoto (PR) tem alcançado um crescimento notável nos últimos anos, impulsionado pelas tendências tecnológicas da Internet e pelas necessidades do mercado digital.

Esta ferramenta técnica (PR) permitiu que os Pontos de Troca de Tráfego da Internet (IXP) cresçam em tamanho, e que os sistemas autônomos (AS) que não são tão grandes e/ou estão geograficamente distantes se conectem com mais facilidade, destacou o professor.

Neste caso a investigação foi apoiada inicialmente pelo programa FRIDA e depois continuada no âmbito da colaboração em pesquisa aplicada entre LACNIC e FURG.  A pesquisa estuda os efeitos do peering remoto em quatro aspectos: o crescimento da implementação de PR em um ano e meio; a presença de práticas inadequadas no anúncio de rota (quando as redes priorizam o IXP remoto sobre o IXP local), que estão associadas a anomalias de roteamento; a confiabilidade das interfaces do PR e a adoção de comunidades BGP relacionadas ao PR (ou seja, engenharia de tráfego para pares remotos).

O artigo procura lançar luz sobre o crescimento, no último ano, de PR em sete IXP, e explora algumas das implicâncias sobre o uso de PR na Internet.

Da pesquisa, podem ser destacadas as seguintes descobertas-chave: 1.  Crescimento de peering remoto varia dependendo das características do IXP: confirma-se que as interfaces remotas cresceram desde 2021 em quase todos os IXP avaliados.   O crescimento esteve diretamente relacionado com o grau de desenvolvimento e prevalência da infraestrutura de peering. Embora o crescimento tenha sido menor nos IXP mais estabelecidos, o desenvolvimento do peering remoto foi predominante em infraestruturas mais emergentes.

2. Os prefixos de trombone indesejáveis ​​podem ser comuns devido a práticas inadequadas nos anúncios de rota. Os AS conectados a múltiplos IXP com uma combinação de conexões locais e remotas podem ocorrer involuntariamente em práticas inadequadas nos anúncios de rota.

A análise mostrou que mais de 60 AS diferentes anunciaram os prefixos mais específicos no IXP remoto em vez de priorizar sua conexão IXP local.  Foram encontrados mais de 37 mil prefixos com rotas de trombone, o que afeta o desempenho do peering.

3. As interfaces remotas são mais instáveis do que as locais.   Uma preocupação com o crescimento de PR nos IXP é que as redes que utilizam uma porta compartilhada ou estão geograficamente distantes imporiam maior instabilidade na sua conexão ao IXP RS, afetando outros membros.  Este é, de fato, o caso de todos os IXP analisados. As interfaces remotas pareciam ser menos confiáveis, apresentando diferenças com seus pares locais que chegavam até 47,05% em uma análise mensal.      Além disso, as interfaces remotas permanecem menos tempo ativas entre falhas, e as interfaces locais permanecem até 3,7 vezes mais ativas.  Finalmente, as interfaces remotas mostraram até 3,5 vezes mais mudanças de estado (de cima para baixo) do que seus pares locais.

4. O uso das comunidades BGP para realizar engenharia de tráfego em pares remotos ainda não está muito difundido.  Muitos IXP modernos começaram a oferecer comunidades BGP específicas para filtrar a exportação de rotas ou para realizar alguma ação (por exemplo, colocar antes) a redes conectadas remotamente. A análise destas comunidades em três IXP (PTT-SP, PTT-RJ e PTT-CE) revelou que ainda são insignificantes e representam menos de   0,27% de todas as comunidades de ação observadas nas rotas dos IXP.

Convidamos você a conhecer mais sobre esta pesquisa que contou com o apoio do programa FRIDA de LACNIC e continua no âmbito da colaboração em pesquisa aplicada entre LACNIC e FURG, no seguinte link


A chamada 2024 do Programa FRIDA está aberta até 28 de junho, mais informações aqui

Subscribe
Notify of

0 Comments
Inline Feedbacks
View all comments